O que é o envelhecimento?

O lendário conquistador espanhol Juan Ponce de León (1460-1521), como muitos de seus contemporâneos, buscou fama e fortuna através da exploração do Novo Mundo. Ele se estabeleceu em Hispaniola (hoje moderna República Dominicana) antes de se tornar governador de Porto Rico por 2 anos antes de ser substituído pelo filho de Christopher Columbus, Diego. Forçado a navegar mais uma vez, ele supostamente ouviu contos nativos de uma mítica "fonte da juventude".

Ele explorou muitas partes das Bahamas e acredita-se que tenha desembarcado em 1513 perto da atual cidade de Santo Agostinho, no nordeste da Flórida. Ele nomeou essa terra recentemente "descoberta" da Flórida a partir da palavra espanhola "florido", que significa "cheia de flores". Ele continuou suas explorações ao longo da costa da Flórida e Florida Keys, mas morreu nunca tendo encontrado a fonte indescritível da juventude.

Essa história bem conhecida é provavelmente inteiramente fictícia. Os escritos de Ponce de León não mencionam a fonte da juventude, e suas explorações vigorosas foram por motivos mais pedestres - para encontrar ouro, terras para a colonização e espalhar o cristianismo. Mas a noção de uma substância mística que pode reverter o envelhecimento é tão poderosa que a lenda persiste ao longo de todos esses anos. Então, o que exatamente é o envelhecimento?

Todo mundo sabe instintivamente o que significa envelhecer, mas a ciência, para resolver com êxito qualquer problema, requer uma definição precisa. O envelhecimento pode ser visto de várias maneiras diferentes. Primeiro, o envelhecimento se manifesta alterando as aparências. Cabelos grisalhos, pele enrugada ou outras alterações superficiais sinalizam a idade subjacente. Isso pode refletir alterações fisiológicas subjacentes, como diminuição da produção de pigmentos nos folículos capilares ou diminuição da elasticidade da pele. A cirurgia estética muda as aparências, mas não a fisiologia subjacente. Segundo, o envelhecimento pode ser visto como uma perda de função. Com o tempo, as mulheres diminuem a fertilidade até que cesse completamente durante a menopausa, em um processo amplamente determinado pela idade. Os ossos ficam mais fracos, aumentando o risco de fraturas, como fraturas de quadril, que raramente são vistas em jovens. Músculos cada vez mais fracos, explicando por que os atletas campeões e os culturistas são jovens. Terceiro, no nível celular e molecular, a resposta aos hormônios diminui com a idade. As mitocôndrias, os importantes componentes celulares que produzem energia e são comumente conhecidos como "as centrais elétricas da célula", tornam-se menos eficientes e menos capazes de produzir energia. O declínio da eficiência do corpo envelhecido resulta em maiores taxas de doenças e enfermidades.

O aumento da idade aumenta exponencialmente o risco de doença crônica e morte. Ataques cardíacos, por exemplo, estão praticamente ausentes em crianças, mas são comuns na velhice. Os seres humanos enfrentam "um muro da morte". O envelhecimento em si não é uma doença, mas aumenta as chances de outras doenças, o que o torna o melhor alvo para interromper ou reverter doenças crônicas. A idade, em anos cronológicos, é irreversível, mas o envelhecimento, em anos fisiológicos, não é.

Hipócrates, o antigo pai grego da medicina moderna há muito tempo reconheceu a nutrição como a pedra angular da saúde e da longevidade. Onde a fome que causa falta de nutrição pode ter sido um dos Cavaleiros do Apocalipse, os modernos problemas de obesidade, resistência à insulina e diabetes são igualmente mortais. Nos dois casos, os alimentos que ingerimos desempenham um papel importante na promoção ou prevenção de todos esses problemas.

Um importante mecanismo de reparo de danos é chamado de autofagia. O Prêmio Nobel de Medicina de 2016 foi concedido a Yoshinori Ohsumi por "suas descobertas de mecanismos para a autofagia", ressaltando a vitalidade desse processo. Na autofagia, as partes celulares chamadas 'organelas' são decompostas e recicladas periodicamente como parte de um amplo sistema de controle de qualidade. Assim como um carro precisa de substituição regular de óleo, filtros e cintos de ventilação, uma célula deve substituir suas organelas regularmente para manter a função normal. À medida que as organelas celulares expiram, o corpo garante que as organelas antigas sejam removidas e substituídas por novas, para que não haja danos residuais que impeçam a função. Uma das principais descobertas do último quarto de século é que esses procedimentos de controle de danos são fortemente influenciados pelos alimentos que ingerimos. Mas por que envelhecemos?

A evolução não se importa se você envelhece

A evolução por seleção natural funciona no nível dos genes, não nos organismos individuais. Todos nós carregamos milhares de genes diferentes e os passamos para nossos filhos. Os genes mais adequados ao seu ambiente sobrevivem melhor, o que lhes permite produzir mais descendentes. Com o tempo, esses genes benéficos se tornam mais difundidos na população. A idade desempenha um papel importante na determinação do efeito de um gene na população.

Um gene fatal aos 10 anos (antes de ter filhos) será rapidamente eliminado da população, pois a pessoa portadora desse gene é incapaz de transmiti-lo às crianças. Um gene fatal aos 30 anos de idade ainda será eliminado (embora mais lentamente), porque as pessoas sem o gene têm mais filhos. Um gene fatal aos 70 anos nunca pode ser eliminado porque o gene passará para a próxima geração muito antes de manifestar seus efeitos mortais.

Visto dessa maneira, a luta contra a devastação do envelhecimento é, portanto, uma luta contra a natureza. O envelhecimento é completamente natural, embora a extensão e a velocidade sejam variáveis. Viver e comer completamente em sintonia com a natureza não impede o envelhecimento. Natureza e evolução não se preocupam com a sua longevidade, apenas com a sobrevivência do seu gene. Em certo sentido, devemos olhar além da natureza para retardar ou impedir o envelhecimento.

Envelhecimento e doença

Surpreendentemente, e quase sem precedentes na história da humanidade, as crianças de hoje podem ter uma vida útil mais curta que seus pais. O século XX testemunhou enormes e constantes avanços na medicina e na saúde pública que aumentaram significativamente a expectativa média de vida. Recentemente, porém, uma epidemia de doenças crônicas ameaça retardar ou reverter esse registro invejável.

Antes da era industrial moderna, com seus avanços no saneamento e na medicina, as doenças infecciosas eram as principais causas naturais de morte. Nos Estados Unidos, em 1900, a expectativa de vida ao nascer para um homem era de 46 anos, para uma mulher 48 devido em grande parte à alta mortalidade infantil e infantil. Mas aqueles que sobreviveram até a maturidade tiveram boas chances de sobreviver até a idade mais avançada. As três principais causas de morte em 1900 eram de natureza infecciosa - pneumonia, gripe, tuberculose e infecções gastrointestinais. Essas doenças infecciosas podem afetar qualquer idade, embora crianças e idosos sejam especialmente vulneráveis.

A situação de hoje é diferente. As duas principais causas de morte são as cardiovasculares e as relacionadas ao câncer, ambas as doenças fortemente correlacionadas à idade. A doença cardiovascular, que inclui doenças cardíacas e derrames, é a principal causa de morte nos EUA, sendo responsável por 1 em cada 4 mortes e sua incidência aumenta drasticamente com a idade. As crianças raramente sofrem um ataque cardíaco, mas aos 65 anos, a maioria dos homens tem algum tipo de doença cardiovascular (85 anos para as mulheres).

A história é a mesma para o câncer. Crianças e jovens adultos representam apenas cerca de 1% dos novos casos de câncer a cada ano. Os adultos entre 25 e 49 anos representam cerca de 10%, enquanto as pessoas com 50 anos ou mais representam cerca de 89% de todos os novos casos de câncer. Outras doenças claramente ligadas ao envelhecimento incluem catarata, osteoporose, diabetes tipo 2, doenças de Alzheimer e Parkinson, doença renal. Essas doenças do envelhecimento são responsáveis ​​por aproximadamente dois terços das cerca de 150.000 pessoas que morrem no mundo todos os dias. São doenças que afetam quase ninguém com menos de 40 anos. No Ocidente industrializado, a proporção de pessoas que morrem de doenças causadas pelo envelhecimento se aproxima de 90%.

Como a medicina moderna conquistou ou reduziu muitas doenças infecciosas, como a varíola, uma conseqüência de seu próprio sucesso é uma população em envelhecimento com seu risco inerentemente maior de doenças crônicas, como câncer, doenças cardiovasculares, distúrbios auto-imunes e diabetes. Mas essa não é a história toda. O aumento da obesidade aparentemente incontrolável e sem paralelo e da epidemia de diabetes tipo 2 está colocando nossa saúde em risco crescente de câncer e doenças cardíacas. Existem muitas modificações na dieta e no estilo de vida que você pode adotar para reverter esse risco de doença crônica.

O envelhecimento é o lento acúmulo de dano celular devido à diminuição da capacidade de repará-lo. Isso resulta em um baixo nível de inflamação, tão característico do envelhecimento que foi denominado "inflamação". O estresse oxidativo, uma condição na qual os radicais livres dominam o sistema antioxidante interno do corpo, aumenta com a idade. Mas você pode fazer mudanças no estilo de vida hoje que podem aumentar as chances de envelhecimento saudável. Você pode aumentar não apenas sua vida útil, mas também sua "vida útil". Ninguém quer passar seus últimos anos frágeis, doentes e em um lar de idosos. Discutimos mais sobre os determinantes alimentares do envelhecimento na The Longevity Solution. A prevenção do envelhecimento é sobre anos mais longos de vida saudável, livre de doenças e outros inconvenientes da velhice, vigorosos e energéticos, com entusiasmo pela vida e pela vida. Longevidade significa prolongar a juventude, não prolongar a velhice.